Da série coisas que eu amo: Festival das Estrelas (Tanabata Matsuri)

Não, este texto não é proibido para menores de 18 anos!😛

Eram uma vez uma princesa chamada Orihime (a estrela Vega), que era encarregada de tecer as roupas dos deuses. Como ela era muito dedicada ao trabalho, seu pai Ten-Kou, o deus celeste, resolveu apresentar-lhe um jovem chamado Kengyu (a estrela Altair), que era um boiadeiro tão trabalhador quanto Orihime.

Eles se apaixonaram, e passavam tanto tempo juntos que já não cuidavam mais de suas obrigações como antes. Os deuses não tinham o que vestir, e as vacas de Kengyu estavam doentes ou mortas, por descuido.

A atitude dos jovens amantes deixou Ten-Kou furioso. Assim, o deus celeste os separou, levando-os para lados opostos do rio Amanogawa (também conhecida como Via Láctea). Orihime e Kengyu ficaram tão tristes, que não retomaram suas obrigações. Ten-kou, com pena, decidiu que eles poderiam se encontrar, uma vez por ano, no sétimo dia do sétimo mês, caso eles trabalhassem duro durante o tempo em que ficassem separados. Nesta ocasião, as duas estrelas se sobrepõem no céu e aqui na terra comemora-se o festival conhecido como Tanabata Matsuri.

O festival é realizado aqui em São Paulo no bairro da Liberdade, óbvio! Teoricamente, ele aconteceria no segundo fim de semana de julho, mas não é sempre que isto acontece. Este ano vai coincidir, e ele será realizado justamente no sétimo dia do sétimo mês, ou seja, 07/07 (e 08/07 também). Bem no dia do encontro das estrelas, segundo o mito.

Durante o festival, são vendidos uns cartõezinhos coloridos chamados Tanzakus, que você escreve um pedido, e pendura em uma das árvores de bambu espalhadas pelo bairro. Depois da festa eles são recolhidos e queimados em uma cerimônia Xintoísta, para que os pedidos cheguem até as estrelas e se realizem.

Participo desta festa desde 2004 e sempre faço pedidos. Garanto que pelo menos 50% deles se realizaram! Coincidência ou não, o fato é que eu gosto de acreditar que Orihime e Kengyu deram uma forcinha. Este ano não será diferente: irei até o bairro, comprarei alguns Tanzakus e farei pedidos. Mas não é só isto que leva até a festa. A Praça da Liberdade, Rua Galvão Bueno e a Rua dos Estudantes são decoradas com enormes enfeites suspensos de papel colorido, e o Jardim Oriental é aberto para visitação (geralmente penduro meus pedidos lá), coisa que só ocorre duas vezes por ano. Além disso, também tem um monte de comidinhas deliciosas e apresentações culturais, competições, desfiles e até eleição da Miss Tanabata. Confira a programação AQUI.

Para quem está em São Paulo e ainda não sabe o que fazer no fim de semana, recomendo dar uma passadinha lá na Liberdade! Mesmo trabalhando neste fim de semana vou dar um jeitinho, passar lá para comer alguma guloseima oriental e fazer alguns pedidos. Afinal, como irão coincidir o dia do festival com o dia do encontro das estrelas, acho que Orihime e Kengyu estarão tão felizes que irão dar uma atenção especial aos pedidos. Não custa nada acreditar, né?!

“Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado.” Roberto Shinyashiki

One thought on “Da série coisas que eu amo: Festival das Estrelas (Tanabata Matsuri)

  1. Pingback: E você, já foi atendido? « Trem dos 7

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s