A vingança…

Apenas viu Luísa, deu um salto sobre os calcanhares e, mostrando-lhe o punho, berrou:

– olhe que a primeira vez que você me torne a falar como hoje, vai aqui tudo raso nesta casa!

– Cale-se, infame! – Gritou Luísa.

– Você me manda calar, sua p…! – e Juliana disse a palavra.

(…)

O tom de Juliana era tão insultante, que Luísa ergue-se como ferida. E Juliana ameaçando-a, do alto, com o dedo erguido:

–  E a senhora agora é andar-me direita, senão eu lhas cantarei!…

Carta ao Amante

A cena descrita acima foi elaborada por Eça de Queirós no romance O Primo Basílio, publicado em 1878. No caso em questão, Juliana, a empregada, chantageia a patroa, Luísa; ameaçando-a de mostrar as cartas de amor que esta escrevia ao amante Basílio. No século XIX um caso de traição conjugal representava o fim da linha para a mulher traidora.

Essa semana durante a reviravolta da personagem Nina/Rita (Débora Falabella) de Avenida Brasil, que passou a chantagear a vilã Carminha (Adriana Esteves), algumas cenas entre as duas personagens automaticamente nos faz puxar pela memória as cenas de O Primo Basílio.

Na trama das 9, Nina/Rita ameaça Carminha não com cartas escritas para amantes, mas, com fotos comprometedoras tiradas às escondidas. Carminha entra em casa e vê as fotos espalhadas nos porta-retratos e Rita/Nina diz:

– Gostou da decoração?   (..) Agora eu sou a patroa e você é a empregadinha! (…) O que eu quero? Anda! Me sirva, vadia!

Em ambas as situações, por motivos diferentes, estamos diante de uma chantagem. Juliana Couceiro Tavira vinga-se de todas as humilhações que passou nas mãos da patroa – que nem era tão má, geniosa e sem noção. O motivo de sua ira era sua condição social inferior. Já Rita/Nina vinga-se porque teve seu pai enganado e morto por Carminha, foi jogada no lixão quando criança e nutriu um desejo de desforra.

Justificadas, ou não; as chantagens movidas por desejo de justiça atiçam o imaginário das pessoas. Quem nunca quis se vingar de um chefe tirano, de um desafeto no colégio, dos dissabores  causados por quem age de má fé? Seu madruga e sua célebre frase “A vingança nunca é plena, mata a alma e envenena” estaria certo? Não sei… Mas ver os nossos desafetos numa pior muitas vezes não tem preço.  

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s