Deito, logo penso!

Dormir é bom, não é? Maravilhoso!  Durmo sim mais do que o necessário, muitas vezes, embora algumas eu prefira não dormir muito para aproveitar mais seja lá o que eu estiver fazendo. Mas quem disse que dormir é sempre fácil? Não é, não!

Situação: Você está com corpo o cansado, louco para deitar na cama e dormir profundamente, de preferência uma noite sem sonhos para descansar bem.

Status do seu corpo: pernas moles, cérebro com uma velocidade de processamento de aproximadamente 1/2 de sua capacidade normalmente utilizada (o que nem sempre é a capacidade real… hehehe), ombros tensos, reflexos lentos.

Certo. Você chega em casa, e o que tem de fazer? Tomar banho, pois está suado, e um banho te fará relaxar, e te fará dormir melhor. Ok! Você toma o seu banho, aquela água quente, gostosa, aquela fumacinha do calor subindo à sua volta e te deixando inebriado. Hummm, Legal! Nesse momento você já imagina a sua cama, aquela coisa linda e carinhosa, que te envolve na sua maciez e o lençol que te afaga como um cafuné, só que no corpo todo. Bom, muito bom!

Status do corpo após o banho: Downgrade! – cérebro com velocidade de processamento de 1/4 da capacidade que havia antes do banho, os olhos pesados de sono e tudo mole (lê-se pernas e agora também os braços, OK crianças? o.O), ombros não mais tensos porém arqueados, pés pesados.

Você sai do banho, escova os dentes, arranca um pêlo encravado, usa uma haste flexível com pontas envoltas em algodão (vulgo: cotonete) em seus ouvidos (o que pode ser extremamente prazeroso, sem nenhuma conotação sexual, veja bem. Ou com, depende do indivíduo, o que felizmente não é o meu caso), sai do banheiro e se dirige ao seu quarto, arrastando os pés devido ao seu peso (talvez explicável pela falta de força, ou coragem, de suas pernas). O grande momento está chegando!

Ok. Tudo dentro do planejado. Você anda até sua cama, e quando olha para ela cheio de expectativas, encontra algumas coisas esquecidas de manhã em cima dela. Nada demais, bobagem: 2 calças suas que estavam penduradas na porta do guarda-roupa pois não guardou ainda, 4 camisetas (2 amassadas, 1 usada e outra que não é sua, é do seu irmão), um tapeware que não se sabe de onde veio, cintos (2), dinheiro (Legal!), uma blusa (sua mesmo), um tablet carregando a bateria (do seu irmão), carteira e chave do carro (do seu irmão) e meias usadas (suas). Talvez tivessem mais coisas, mas devido ao meu cérebro quase morto não me recordo no momento.

Você pensa: Hummmm. Bom. Ou melhor, nada bom. Tenho que tirar essas coisas daqui agora. Onde colocar? Fácil! Coisas do irmão: na cama do irmão. Suas coisas: em cima de uma caixa ao lado da cama, com a intenção de cuidar delas no dia seguinte. Problema resolvido! Agora sua cama que está desarrumada pois não arrumou de manhã: Tudo bem, eu ia bagunça-la agora de novo mesmo, ela já está me esperando do jeitinho que eu gosto.

Você deita. DELÍCIA! Cama, me abraça sua linda! Ela te abraça, te envolve e te proporciona aquele conforto único, singular, íntimo. Você então se ajeita, vira de lado trazendo seus joelhos em direção ao seu peito, deixando suas pernas num ângulo de aproximadamente 60º, coloca as mãos entre as duas coxas, e fecha os olhos. Aahhh!! (momento de satisfação total).

Pega o celular para conferir os despertadores (uso 5), e vê que são 00h20. Horário bom, conseguirei dormir “cedo” hoje. De repente você se lembra que não tinha usado uma das camisetas que estavam em cima da sua cama, uma das 2 amassadas, e se pergunta por que elas estavam amassadas, e em cima da sua cama. Você tenta se recordar, e começa a exigir um processamento maior do seu cérebro para aquela atividade. Ele começa a pegar no tranco e se esforçar, mas no meio da busca pela informação inicial ele te traz uma outra recordação, a de que você tem que arrumar seu patins para usá-lo no final de semana, e se pergunta: Mas que porra tem uma coisa a ver com a outra?. Você decide que tem que comprar algumas coisas para arrumá-lo e e se lembra que tem que arrumar também a sua mochila, que possui um zíper quebrado, já há uns 2 meses, e faz uma anotação mental para consertá-la, e volta para o seu pensamento inicial, o qual você já não se lembra mais.

Tsc! Vira para o outro lado da cama, com as pernas agora em ângulos diferentes em relação ao seu corpo, e fecha os olhos. Hot roll de chocolate…… Mas que… ?! Agora?? (Eu comi isso num restaurante japonês na sexta-feira passada, com os amigos do trabalho. Delicioso, diga-se de passagem, me perguntem onde tem que eu falo depois). Você sente um pouco de fome, mas se proíbe terminantemente de pensar em se levantar. Tudo bem, resolve tentar esquecer o hot roll de chocolate, porém “chocolate” é uma palavra forte, chamativa, e atrai a atenção geral. E você se lembra que já começaram a vender Chocotone (faltando mais de 2 meses para o Natal, não entendo…), e lembra daqueles trufados, com recheio cremoso e coberto com chocolate. Mais fome. Chega de pensar em comida!!

O pensamento sumiu, deu certo! Você se imagina dançando de alegria, e então se lembra das músicas que dançou na última viagem para Campos do Jordão com a escola de dança. Viagem ótima! Sensacional! Dancei até os dedinhos doerem dentro do sapato e gritarem por oxigênio, e você começa a se recordar de cada uma das noites, das festas no chalé 1 depois do baile da noite, da feijoada do sábado à tarde com mais dança. E se lembra então que você ficou de pedir para a professora te ensinar um passo na aula. Faz outra anotação mental para lembrar disso. Então você percebe que jamais vai se lembrar disso por conta própria, e decide colocar um lembrete no celular. Quando vai fazer isso, se lembra que tinha outra anotação mental, e cria outro lembrete para lembrar de…… De?

Tsc, bosta!. Você tenta se lembrar do que devia se lembrar de fazer no dia seguinte, sem sucesso. Nisso, o seu cérebro já está usando 1.4x a sua capacidade de processamento, seus olhos estão abertos a muito tempo sem que você se desse conta, está numa posição na cama na qual não se recorda de ter ficado e então busca uma posição mais confortável, numa parte do colchão que ainda esteja fria para aliviar o calor, mas não encontra e bate o dedo no armário pois está escuro e não o viu, perde o pouco sono que já tinha e fica totalmente desperto, olha no relógio e vê que se são 02h14 da madrugada. Mas como que….?!? Já?!?!

Você então desiste, senta na cama, acende a luz do celular para encontrar e pegar o controle do XBox, liga o videogame e a TV, e começa a jogar Skyrim, atividade que não tem uma hora certa para acabar.

Dormir é fácil? Não, é para os fracos! Bora perder mais uma noite! ¬¬’

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s