Da série: Pessoas do meu coração – Parte 3

Eu era uma simples garotinha da 6ª série, quando fui a uma excursão ao recém falecido Playcenter, com a escola.
Vivia numa bolha e tinha pouco contato com o mundo externo. Também poucos amigos. E nenhum gosto musical.

Aquela excursão foi muito importante para mim na época, mas dos brinquedos do grande parque me recordo pouco.
Me recordo muito bem da “confraternização” que a equipe fez na “discoteca” (sim, era esse o nome) do local. Eram músicas novas para mim, era um mundo novo esse de ficar dançando e era tudo muito divertido.

Me lembro muito bem dos versos Você tem fome do que? Você tem sede de que?. Mal entendia aquilo, mas sabia que tinha tudo a ver comigo. Nessa época, um pouco antes, ou um pouco depois, conheci o velho rock’n’roll, que mudou a minha vida para sempre: fui atrás de conhecer várias bandas, entrei num curso de inglês, virei gente. E ainda nessa época, não sabia que ali havia conhecido uma das maiores inspirações da minha vida inteira até agora: Arnaldo Antunes.

Desde então acompanho o trabalho dele. Ele me fez ter gosto por homens inteligentes, por vozes graves, por homens estranhos, por poesia concreta, por música nacional. E o trabalho dele em todas as áreas nunca me decepcionou.

Recentemente tive a sorte de cobrir os shows das duas últimas turnês dele: “Acústico MTV nesse ano e “Ao vivo lá em casa” no ano passado. O trabalho dele solo ainda me agrada MUITO, mesmo tendo mudado bastante nos últimos anos. Porém, ao contrário dos Titãs, ele continua fiel à sua proposta, ao contrário dos Titãs.

Os Titãs foram muito importantes para o rock nacional nos anos 80/90, mas aos poucos foi mudando seu foco. Me lembro bem: naquela época ele nada devia às grandes bandas nacionais como Sepultura, Ratos de Porão, dentre outras. Era a cara de uma sociedade que não queria ser lembrada pela sua beleza e tinha conteúdo para mostrar ao mundo inteiro. Cds como “Cabeça dinossauro“, “Jesus não tem dentes no país dos banguelas” e “Õ Blésq Blom” era exatamente aquilo que uma sociedade brasileira inconformada queria mostrar. Infelizmente depois disso eles se perderam, mas para mim Arnaldo Antunes continua mostrando integridade ao que fez no passado.

Nesse último sábado, 06/10, os Titãs fizeram um show de comemoração aos 30 anos do grupo no Espaço das Américas, em São Paulo, com direito a um bloco do show com a participação dos integrantes originais. Lá estava ele, Arnaldo Antunes, mostrando que ainda conta com a mesma garra de sempre! Foi um show inesquecível! Reviver uma parte de tudo o que aquilo representava na época, foi mágico! Infelizmente não consegui fazer a cobertura desse evento, mas o show foi transmitido ao vivo pelo canal Multishow.

Aqui abaixo, você consegue ver o vídeo na íntegra.

One thought on “Da série: Pessoas do meu coração – Parte 3

  1. Pingback: Da série: Pessoas do meu coração – Parte 3 | Se alguém agarra alguém

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s