O Lado Negro III: A Aliança

Relembrando um texto escrito há algum tempo, já, a grande questão é que não somos necessariamente maus, nem tampouco necessariamente bons.

Temos momentos bons, e momentos ruins. E em cada momento, usamos alguma instância da nossa personalidade, ativamos algum arquétipo, para superarmos este ou aquele problema. Como exemplo, num momento de dificuldade financeira, ativamos nossa cobiça, nossa ambição. Apenas para sair daquele momento. Claro, alguns se prendem a esse momento, e se tornam ligados a isso por tempo indefinido. Mas por medo, de que tal situação ocorra novamente.

Em outra perspectiva, num momento de grande prosperidade, logo se pensa: “Bom, porque não ajudar quem precisa?”.

Ou seja: somos aquilo que podemos ser, em dado momento. Às vezes, um determinado comportamento, por mais vil ou negativo que pareça, é o que aquela pessoa precisa, pra superar o que quer que esteja ocorrendo a ela. Há o momento do egoísmo, e há o momento do altruísmo.

iron_maiden_clairvoyant_mbr_large_picture

“Há um tempo para viver, e um tempo para morrer, quando é hora de encontrar o Criador…”

O que nos interessa é exatamente o momento em que conseguimos reconhecer isso. Saber que existe algo de negativo em nós, e saber aceitar que isso existe. E entender que isso é necessário em nós. A mudança, ou melhora, é necessária, mas dentro de um contexto bem maior. Especialmente se falarmos na questão espiritual, aí já passamos para toda uma questão mais abrangente, que envolve a lição de vida que esta encarnação vai te trazer. Muitas vezes, algo que é moralmente questionável em nós, ou mesmo não aceito dentro do contexto religioso, é algo necessário para aquele momento decisivo. Aquele momento em que você vai fazer aquela força a mais para superar algo, e efetivamente, crescer, evoluir.

Jacob's%20ladder small

Um degrau de cada vez…

Citando Clarice Lispector “Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro”. Defeitos podem ser benéficos.

No filme/HQ Scott Pilgrim, o protagonista vive um momento desses, em que tem que enfrentar quem ele mesmo é, a sua contraparte negativa, chamada de “Nega Scott”. A luta segue feroz, sangrenta; até que ele compreende que deve ACEITAR aquilo como parte dele, e não lutar CONTRA. A sequência é grande, e ficaria complicado de postar aqui. Mas o momento em que a integração de ambos acontece, segue abaixo.

scottpilgrim_06_087

Aceite QUEM e O QUE você é.

Isso vai te tornar mais forte. Claro, ninguém é perfeito, ninguém tem sequer o DIREITO de julgar você. Porque o outro também tem seus defeitos, e seus defeitos o fazem único. O fazem diferente. E provavelmente, essas diferenças é que fazem o outro importante pra você. A diferença é o que nos faz AMAR o outro.

Permita-se a Aliança consigo mesmo.

E quando você estiver pleno, você poderá se levantar, e vencer.

2 thoughts on “O Lado Negro III: A Aliança

  1. Por mais que as pessoas não tenham o direito de julgar, elas julgam. Todos nós julgamos as coisas e pessoas de acordo com nossa perspectiva e isso é natural. É justamente porque cada um é de um jeito que há julgamentos os mais diversos. As pessoas se unem e se afastam de pessoas de acordo com seus próprios interesses e pensamentos em comum.
    Pergunta: aceitarmos isso em nós, entraria no conselho descrito no texto de que “defeitos podem ser benéficos”?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s